PÍLULA DE RECOMEÇO: TRAIÇÃO – PARTE 2

Traição dói paca. Há quem sinta tanta dor que no peito já não sente nada: fica, assim, anestesiada, catatônica, um frio na alma que corrói e esvazia. Há quem não consiga falar no assunto, outras que jamais esquecem. Ficam remoendo lembranças em looping, de novo, de novo e outra vez.

Há quem siga em frente com essa sombra atada ao pé. Há quem não ande ao sol. Há quem projete a cena da traição nos muros, deixando qualquer dia cinzento. Qualquer sorriso triste. A vida, uma desgraça.  

Voltei ao tema porque continua em alta no Grupo da Fórmula do Recomeço. E por um post que li, sobre a traição ser INSUPERÁVEL. Concordo que abre uma ferida e que estraçalha a autoestima, mas discordo que nunca se supera. Sou a prova viva: dá pra superar sim!

O primeiro passo é não levar para o lado pessoal e entender que a traição é problema DELE, não seu. Não é porque você foi traída que VOCÊ é menos. MENOS É ELE!

É o mesmo caso de vítimas de estupros, quando dizem “Ah, mas ela provocou, estava com uma saia curta, a culpa foi dela”. Não foi. A culpa é SEMPRE do estuprador. Um homem que tem desejos deve SIM ser responsável por eles, deve saber CONTROLAR seus impulsos, senão não é homem, é bicho. Aliás, o que nos difere, no mundo animal, é justamente a capacidade PENSAR antes de AGIR.

Essa desculpa furada de “não consegui me segurar” não é desculpa: é OPÇÃO. Por isso, um cara que trai tem toda a capacidade do mundo de optar por NÃO TRAIR. Traiu? A culpa jamais é da mulher. Não importa se o relacionamento estava frio, morno ou sem sal. Se não havia diálogo. Se não gostava mais dela. Existe uma coisa chamada cérebro, se o cara não usa, o problema NÃO É SEU.

Se ele não sabe lidar com as próprias emoções, o problema NÃO É SEU. Se o pai dele traía e ele cresceu achando que era certo, se vivemos numa sociedade machista e ele diz que é “cultural”. Se é impulsivo, infantil, se apaixonou por outra pessoa, o problema NÃO É SEU. É dele.

Há outra coisa chamada discernimento, ou seja, saber a diferença entre o certo e o errado. E o mínimo que se espera de um homem correto é que termine tudo antes de PULAR A CERCA. Ou não pule.

Mas ok, somos humanos e falhos. Uma vez tendo pulado, aí sim o problema É SEU: cabe a você decidir se perdoa (e fica) ou dá adeus (e pula fora). Qualquer que seja a sua decisão, acredite: para superar uma traição é preciso entender que ele não traiu você. Traiu a SI MESMO.

Não sei indicar onde estão os homens que não traem (sim, eles existem!), mas boa parte dos que traem estão no passado das mulheres do Grupo da Fórmula do Recomeço. É uma dor coletiva. Talvez, por isso, a identificação entre elas e a rede de apoio esteja tão forte. Está lindo de ver!

Se quiser participar, clique AQUI: https://www.facebook.com/groups/2391357551083851/

Um beijo!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *